Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Músicas’ Category

POESIA: QUARTETOS

Amo-te
doce
irritada
por nada

Amo-te
sorrindo
em lágrimas
cismadas

Amo-te
calma
arrepiada
sem graça

Amo-te
em palco
nas frases
realizadas

Amo-te
no cheiro
da tua pele
não passa

Amo-te
no silêncio
das formas
tocadas

Amo-te
se dormes
nas terras
sonhadas

Amo-te
em redes
da alma
puxadas

Amo-te
segura
em dúvida
aliviada

Amo-te
viva
em cores
iluminada

Read Full Post »

Os ouvidos roem-se, urram-se, choram-se…

Dá-me a musicalidade destes versos…
Busco o ritmo, o saber do que me perde,
acaricio as costas do humano,
escondo o rosto da alma
e deito sob os pés do descanso.

Sou como folha perdida do galho,
raiz vertical à sua árvore,
adormeço em prantos,
acordo em nostalgia e espanto.

Alguns passos levam à dor,
outros trazem o desespero.

Busco inerte teu amor,
quero por-te em notas de uma só cor
e enquanto sonho
vejo o mundo…

Se as lágrimas correm enfeitam o absurdo,
desliza na minha janela o orvalho do crepúsculo
desafia minha métrica a emoção do impulso,
encontra nos meus dedos janela de vidro mudo,
cheira minha pele tal qual pétala de seiva angustiada,
adorna meus versos as gotas de um fim de tarde,
sou canto e melodia,
sem ser nada!

Read Full Post »

Nestas noites tristes
onde a alma cutuca,
o tempo se dói,
os olhos se molham,
o sentido se arrepia.

Nestes dias em que
a solidão é prosa,
eu vejo a distância
entre mim e ti.
Desenha-se a minha
sofreguidão,
nasce meu estado de poesia.

Karenina Volque

Read Full Post »

Os cabelos de algumas
esculpem as formas da outra
A boca fina se faz grossa
Os olhos pequenos de repente são grandes
A pele clara ganha tons escuros
A pele jovem ganha marcas do tempo
Os fios lisos ganham curvas desencontradas
Os traços clássicos surpreendem-se modernos
As cores vivas dão lugar aos tons opacos
As linhas retas dobram-se aos encantos da curva
O olhar perdido encontra o olhar extasiado
A tristeza disfarçada deixa transparecer um sorriso velado
Mulheres de tantas e nenhuma face
Mulheres que habitam a estética da obra de arte
Mulheres que multiplicam
Mulheres que nunca partem
São doces e pungentes como um fim de tarde!

Belíssimo vídeo, acompanhado de um expressivo e vertiginoso som. Imagens delicadas, estética apurada, movimentos leves e exatos. Um presente aos sentidos!

Read Full Post »

Desfaçam os nós
verifiquem os tons
arranjem um lugar
onde só se faça som!!!

Read Full Post »


Diga então qual é o teu som
Onde vibra teu tom
Para onde escoa tua alma
Por onde desabrocha teu canto
Cruze as vozes que avizinham teu sonho
Desnude os cantos que pulsam sem nome
Diga então qual é o teu recado
Prove dos sabores do teu querer
Faça valer teu jeito de menina
Contorne o teu recorte de mulher

M.V

Read Full Post »

Melopoesia

Como as melodias são doces…
Como elas invadem a pressa,
deixando apenas a calma
como elas entontecem os sentidos,
deixando apenas a suavidade da alma
como elas harmonizam o tempo
como silenciam os furores da mente
como anoitecem com a luz da lua
como tornam doces os movimentos
e exuberante o pensamento!
Como embelezam a estrada,
deixando na mente um desejo de arte
um suspirar por versos…
Ah! Uma sensação eternizada!
Como se engolisse a alma
e fizesse brotar pétalas
como um belo conto de fada.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: