Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Música’

 

Salvador Dalí

poesia

No ínfimo espaço
entre o eu e o outro
onde se beija o fugaz
e a vida se desfaz

Volátil vertente
assim tão de repente
qual cinza imprecisa
massa sem presente

Tarde, qual névoa
nem triste, nem bela
sereia, donzela
em transe, vem ela

No corpo do mito
da natureza, o vinho
dança em viagem
de corpo e de arte

Evanesce no sopro
primitivo fosco
tão fora de si
bem transviado e oco

Música há de tocar
Teu desejo a fuga
virá. Não saberá
ao certo onde está

No ritual do sono
sem vela. No quase
rarefeito ar. Inefável
infinito limiar

Na morte do possuir
a si. Tudo foge, ou aqui
ou lá. E o meio?
E o que liquefaz?

Anúncios

Read Full Post »

Os ouvidos roem-se, urram-se, choram-se…

Dá-me a musicalidade destes versos…
Busco o ritmo, o saber do que me perde,
acaricio as costas do humano,
escondo o rosto da alma
e deito sob os pés do descanso.

Sou como folha perdida do galho,
raiz vertical à sua árvore,
adormeço em prantos,
acordo em nostalgia e espanto.

Alguns passos levam à dor,
outros trazem o desespero.

Busco inerte teu amor,
quero por-te em notas de uma só cor
e enquanto sonho
vejo o mundo…

Se as lágrimas correm enfeitam o absurdo,
desliza na minha janela o orvalho do crepúsculo
desafia minha métrica a emoção do impulso,
encontra nos meus dedos janela de vidro mudo,
cheira minha pele tal qual pétala de seiva angustiada,
adorna meus versos as gotas de um fim de tarde,
sou canto e melodia,
sem ser nada!

Read Full Post »

Nestas noites tristes
onde a alma cutuca,
o tempo se dói,
os olhos se molham,
o sentido se arrepia.

Nestes dias em que
a solidão é prosa,
eu vejo a distância
entre mim e ti.
Desenha-se a minha
sofreguidão,
nasce meu estado de poesia.

Karenina Volque

Read Full Post »

Os cabelos de algumas
esculpem as formas da outra
A boca fina se faz grossa
Os olhos pequenos de repente são grandes
A pele clara ganha tons escuros
A pele jovem ganha marcas do tempo
Os fios lisos ganham curvas desencontradas
Os traços clássicos surpreendem-se modernos
As cores vivas dão lugar aos tons opacos
As linhas retas dobram-se aos encantos da curva
O olhar perdido encontra o olhar extasiado
A tristeza disfarçada deixa transparecer um sorriso velado
Mulheres de tantas e nenhuma face
Mulheres que habitam a estética da obra de arte
Mulheres que multiplicam
Mulheres que nunca partem
São doces e pungentes como um fim de tarde!

Belíssimo vídeo, acompanhado de um expressivo e vertiginoso som. Imagens delicadas, estética apurada, movimentos leves e exatos. Um presente aos sentidos!

Read Full Post »

Talvez por que eu esteja em um clima assim meio infantil, vai aí mais um lindo vídeo, dessa vez, do pessoal da Palavra Cantada. Bonito de se ver, gostoso de se ouvir, doce pra se sonhar e curioso pra se aventurar.
Ver o vídeo, ouvir o som, fez-me pensar em como as boas coisas que se produzem para o público infantil, hoje, são cada vez mais raras e em como é triste saber que entre as raras coisas que se produzem ainda há o intuito de dificultar ou até eliminar a sua produção de vez, haja vista, caso recente envolvendo um programa como o Teatro Rá-Tim-Bum, exibido pela TV Cultura que, pelo menos por enquanto, não poderá fazer parte da vida de tantas crianças que ainda virão por aí.

Aliás, a TV Cultura sempre teve uma excelente programação infantil. Tive a sorte de crescer assistindo muitos de seus programas, como o clássico Castelo Rá-tim-Bum e tantos outros; programas que foram me formando no mesmo movimento em que me divertiam de uma forma plena e natural.

É por isso que a TV Cultura é um presente oferecido gratuitamente a todos nós, principalmente às crianças, mas que, no entanto, aparece ameaçado por pessoas que acreditam ser o espaço da televisão única e exclusivamente destinado a entretenimentos vazios de sentido, carentes de emoção, recheados de superficialidades e distantes do verdadeiro conhecimento e da necessária formação seja ela humana ou social.

A proposta de desmanche da TV Cultura é um fato tão absurdo que para ele sequer encontro palavras adequadas que consigam exprimir de todo a minha profunda revolta e o meu latente inconformismo.
Limito-me a dizer que não gostaria que as próximas gerações vivessem sem saber o que é uma televisão pública de qualidade e tivessem que refugiar-se no seio do privado, terreno no qual as pessoas cada vez mais se isolam e se iludem. É preciso saber que a realidade é outra e lutar por essa realidade, fazer com que ela seja vista e ouvida.

Esta realidade encontra-se na construção da esfera pública e a TV Cultura, sem dúvida alguma, faz parte da construção do sentido do público que abordamos em crônica recentemente publicada aqui no Impressões.
De um espaço público reservado para as diversas manifestações artísticas e culturais como se faz a TV Cultura depende o soar de um cantar doce de esperança e o divisar de um voo colorido e diáfano em direção à liberdade do verdadeiro conhecimento! Que ainda possamos ouvir esse canto antes que tudo seja só um silêncio mudo de nostalgia e sofreguidão.

Este vídeo que segue vi no Nassif, acompanhado de um belo texto:

Read Full Post »

Desfaçam os nós
verifiquem os tons
arranjem um lugar
onde só se faça som!!!

Read Full Post »

Melopoesia

Como as melodias são doces…
Como elas invadem a pressa,
deixando apenas a calma
como elas entontecem os sentidos,
deixando apenas a suavidade da alma
como elas harmonizam o tempo
como silenciam os furores da mente
como anoitecem com a luz da lua
como tornam doces os movimentos
e exuberante o pensamento!
Como embelezam a estrada,
deixando na mente um desejo de arte
um suspirar por versos…
Ah! Uma sensação eternizada!
Como se engolisse a alma
e fizesse brotar pétalas
como um belo conto de fada.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: